Página Inicial Notícia

ESPORTE 24/03/2017 Clínica CIE: mais de 900 crianças e jovens fazem testes para descobrir potencial

Clínica CIE: mais de 900 crianças e jovens fazem testes para descobrir potencial

Praticar atividades esportivas no dia a dia é muito importante para garantir a saúde e o bem-estar. Por conta dessa rotina, algumas pessoas demonstram o interesse em disputar competições para descobrir o potencial que tem.

Para conhecer mais sobre o desempenho de cada aluno que prática atividades nos diversos polos esportivos de Franco da Rocha e também de alguns que estudam na EMEB Paulo Cardoso e E.E Paulo Duarte, a Clínica CIE foi realizada para avaliar o rendimento de aproximadamente 900 munícipes, entre crianças e jovens, de 6 a 16 anos.

Veja como foi a atividade no CIE

O evento aconteceu no Centro de Iniciação ao Esporte (CIE), que fica na Chácara São José e contou com testes de resistência, envergadura, flexibilidade, agilidade, salto horizontal, corrida de 20 metros, séries de abdominais e arremesso com bola.

Para fazer essas avaliações, aproximadamente 45 funcionários e professores da Secretaria Adjunta de Esporte, receberam um treinamento proporcionado por Júlio Mello e Augusto Pedretti, Doutorandos na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, que trabalham no Projeto Esporte Brasil (PROESP), e que tem parceria com o Governo Federal. Eles foram os responsáveis por orientar sobre o que era necessário em cada teste e qual a forma correta de realizá-los.

Júlio destacou o trabalho realizado à frente do projeto e comentou sobre a importância do evento organizado para fazer a avaliação dos participantes. “Ele acontece em vários locais do Brasil. Agora estamos firmando essa parceria com o Ministério do Esporte e podendo fazer essa primeira atividade no CIE. É um dia importante tanto para a gente, para as pessoas da organização, mas principalmente para as crianças”.

Após a bateria de testes, Júlio explicou o motivo deles. “Esse processo serve para avaliar a habilidade motora e aptidão física das crianças e jovens para depois poder remanejar de uma forma mais adequada para uma prática esportiva, mediante ao rendimento”.

Depois das avaliações, o representante do projeto Esporte Brasil relatou os resultados que espera após a Clínica CIE. “Quero que essas crianças quando forem adultas pratiquem atividades físicas, tenham hábitos de vida saudável e sejam ativas. Isso é proporcionar o esporte para todos”, afirmou Júlio.

CIE é exemplo a ser seguido

Também acompanhando as atividades estava o representante do Ministério do Esporte, José Ivan Mayer, que falou sobre a sensação ao ver tantas crianças em busca da prática esportiva. “Sou avô e vejo esses garotos e garotas como meus netos. Espero que todas as crianças brasileiras tenham um direito como esse que Franco da Rocha está proporcionando”.

Segundo José, a construção do CIE é um sonho que se tornou realidade. “É a sensação de ver o dinheiro público se transformando em realidade de politica pública para as pessoas que mais precisam dessa politica de esporte e lazer. Isso transforma vidas, gera oportunidades e substitui alternativas muito cruéis que são dadas”.

O equipamento que foi construído em um território de vulnerabilidade social para dar acesso à práticas esportivas também foi motivo de orgulho para o representante do governo Federal. “Uma instalação como essa recupera uma área que é preterida. Faz valorizar e renascer o sentimento das pessoas em relação à cidade”, comentou José.

Alunos e professores comentam a experiência

Participando dos treinamentos, Giovanna Souza Moino faz parte do time de vôlei de Franco da Rocha. Moradora do Jardim Progresso, ela comentou sobre o ritmo intenso de exercícios feitos na Clínica CIE. “Eu treino esses exercícios, dia a dia com minhas técnicas, mas, mesmo assim, alguns ainda são meio difíceis”.

Muito ligada ao esporte, com apenas 15 anos, Giovanna já passou por diversas modalidades no município, tudo de forma gratuita. “Pratiquei por três anos futsal. Há dois anos joguei basquete, mas lembrei que minha mãe jogou na seleção de Franco e então decidi seguir o mesmo caminho. Atualmente jogo no vôlei da cidade há quatro anos. Me dedico bastante e sonho em representar a cidade nos jogos regionais desse ano, se for convocada”.

A atleta franco-rochense destacou a evolução do esporte no município nos últimos anos. “Esse crescimento no esporte foi um avanço maravilhoso na cidade. Ganhamos o reconhecimento na região e em todo o país. Já fui em outras cidades e elas não têm a estrutura que temos agora aqui”.

Também responsável por aplicar os testes, o professor Vander Vinicius, treinador de futsal e responsável por trabalhar com jovens especiais na Unidade de Saúde Mental de Franco da Rocha, destacou a importância da Clínica CIE e dos números colhidos. “São muito importantes, pois dependendo da modalidade que cada um quer atuar, conseguimos fazer um direcionamento melhor para a pessoa ir adiante. Por exemplo, o treinamento de salto, a gente consegue trabalhar muito no handebol, no basquete, pois exige muito da força de membros inferiores. Esses números nos dão um parâmetro para saber onde cada um pode render melhor”.

Fique por dentro de como foi a palestra que reuniu represantes de diversos municípios para discutir sobre a aplicação de testes de prospecção de talentos esportivos no Centro de Iniciação ao Esporte (CIE), em Franco da Rocha

Histórico

O CIE foi inaugurado em junho de 2016 e conta com um ginásio poliesportivo, arquibancada retrátil, vestiários, chuveiros, enfermaria, área de apoio com administração, depósito, mezanino e arena poliesportiva externa. No local, foram investidos mais de 3,5 milhões de reais, que só foi possível graças a uma parceria da prefeitura com o Governo Federal.

Para saber as modalidades disponíveis no CIE e em outros polos esportivos Clique Aqui.

Mais sobre o Projeto Esporte Brasil

Segundo Júlio Mello, o Projeto Esporte Brasil existe desde 1993, na Universidade do Rio Grande do Sul. “Disponibilizamos uma bateria de teste para o todo o país para avaliar os alunos, o desempenho e quem sabe identificar possíveis talentos nas próprias escolas”.

(Texto: Ewerton Geniseli - Foto: Orlando Junior)